No meu interior tem Deus

Sábado, 8 de Setembro de 2012

Façam o favor de ser felizes

«Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não me esqueço de que a minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e tornar-se autor da própria história.

É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.

É agradecer a Deus, a cada manhã, pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um «não». É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta».

 

Augusto Cury, «Dez leis para ser feliz».

publicado por Padre João Pires, Pároco dos Altares e Raminho às 19:20
| comentar
Quarta-feira, 1 de Agosto de 2012

Um alpinista sem fé

Certo alpinista, ansioso por conquistar uma altíssima montanha, iniciou a subida depois de anos de preparação. Mas querendo a glória só para si, resolveu subir sozinho, sem companheiros.

A subida era cada vez mais íngreme; fez-se noite e a visibilidade era zero... A poucos metros do cume da montanha, resvalou e caiu numa ravina, ficando preso por um ramo, no meio da escuridão da noite, sem luar nem estrelas. Depois da queda e ainda um pouco tonto, deu por si, em pânico, agarrando fortemente um frágil ramo que ali nascera, na ravina.

Pensou por uns momentos que se poderia salvar, mas depois reconheceu que estava suspenso entre o céu e a terra. Desesperado, gritou bem alto: Meu Deus, ajuda-me! De repente, no meio do nada, uma voz grave e profunda respondeu-lhe lá dos céus:

- Que queres?

- Meu Deus, salva-me!

- Queres realmente a minha ajuda?, inquriu Deus.

- Claro que sim, meu Deus!, gritou o alpinista já quase a sufocar.

- Então, larga esse ramo que te segura, e eu te apanharei no ar!

- Como? Largar o ramo? Não! Isso não posso fazer. Seria um suicídio!

O alpinista, aterrorizado, agarrou-se ao ramo ainda com mais força, pensando, sozinho, na escuridão da noite, na enorme distância que o separaria do solo.

No dia seguinte, uma equipa de socorro encontrou o alpinista morto, preso no ramo, no final de uma ravina, apenas a um metro do solo...

 

O seu mal foi não ter confiado em Deus, mesmo quando parecia não ter razão nem lógica o que lhe pedia e também ter ido escalar a montanha sozinho...

(Contos, fábulas e parábolas)

publicado por Padre João Pires, Pároco dos Altares e Raminho às 22:05
| comentar
Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

Levar as crianças à Igreja

Nas nossas comunidades fazem-se muitos esforços de apostolado, especialmente na catequese. Mas geralmente depois do Crisma há uma grande “fuga” por parte dos jovens e casais novos. Eles “ausentam-se da missa, etc.

 

Porquê? Há várias razões. Mas há uma que está na raiz de todas as outras. É que, antes de irem à catequese, e já desde bebés, muitas das nossas crianças não são levadas à missa, não ouvem contar coisas de Cristo e não rezam.

 

Espera-se pela catequese… Mas já é tarde, muito tarde! Isto porque, a começar por essa altura, já não se pode semear nas crianças o gosto e o amor pelo Cristianismo e pelas coisas religiosas. Hoje sabe-se que é a partir do nascimento que as raízes dos gostos e dos “amores” futuros se semeiam nos corações das crianças. Também os gostos e amores religiosos.

 

Há 3 “práticas” necessárias para se semear o Cristianismo na alma das crianças e dos futuros adultos.

 

Elas são:

1. Levar os bebés e as crianças à missa desde que nascem.

Se isto não se fizer, as crianças ficam “estranhas” às coisas da fé, e dificilmente aprendem a amá-las. Dificilmente praticam a sério. Serão “ausentes”…

É que a presença com a comunidade na celebração, nos cânticos, nas orações, contagia a criança com as coisas religiosas e faz elas amarem estas coisas.

Caso contrário ficam “estranhas”, indiferentes, desligadas…

Por isso é urgente fazermos tudo para que os bebés e as crianças das nossas comunidades sejam levadas à missa desde que nascem. E não tenhamos medo: se começarem já em bebés, não incomodam ninguém. A comunidade deve sentir alegria por ter os seus bebés na missa.

 

2. A partir dos dois anos contar-lhes ou ler-lhes coisas da Bíblia, especialmente de Cristo.

As crianças são “loucas” por histórias. Também histórias religiosas, como sejam os milagres de Cristo, as parábolas, a Paixão, etc. E ficam amigos de Cristo ao ouvir essas histórias. É tão fácil ler-lhas…

Hoje há livros muito bons com tais histórias preparadas para serem lidas aos pequeninos.

 

3. Rezar com as crianças, também a partir dos dois anos.

Começar com pequeninas orações; passar depois à Ave-Maria, ao Pai Nosso, à Salve Rainha, etc.

Quando se reza com as crianças elas contagiam-se com as coisas espirituais e com Deus.

 

Pais, avós, padrinhos, tios, irmãos, vizinhos, vamos lutar para que:

- todos os bebés e crianças vão à missa

- todas as crianças ouçam histórias religiosas

- todas as crianças sejam ensinadas a rezar

 

Padre Francisco Caetano Tomás

publicado por Padre João Pires, Pároco dos Altares e Raminho às 17:19
| comentar
Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

Falar claro

Uma estudante teve uma triste experiência no mundo da droga. Foi levada para uma comunidade de acolhimento, a fim de se libertar dessa escravidão.

Uns dias depois, o padre que orientava a comunidade, pessoa culta e formada em psicologia e teologia, quis falar com ela.

A jovem, com palavras muito duras, foi contando a sua experiência com as drogas.

Este primeiro encontro foi seguido de outros, mas sem resultados visíveis. O padre procurava convencer a jovem com os argumentos mais convincentes, os que julgava mais científicos, mas ela continuava sempre igual.

Vieram as férias e terminaram os encontros entre o sábio padre e a estudante. Recomeçou o ano e ela não apareceu. O padre perguntou por ela e disseram-lhe que se tinha convertido.

A jovem apareceu mais tarde, entrou no gabinete do padre e abraçou-o. E contou então a história da sua conversão:

- O senhor nas nossas conversas tratou-me com luvas de veludo. Mas o cozinheiro com quem trabalhei este Verão tratou-me de maneira diferente. Disse-me: Vejo que andas triste. Por que é que não permites que Cristo entre na t?» Eu comecei a ler os Evangelhos todas as noites. E num  desses dias Cristo entrou na minha vida e curou-me».

 (Autor desconhecido)

publicado por Padre João Pires, Pároco dos Altares e Raminho às 00:55
| comentar

Tradutor

posts recentes

Façam o favor de ser feli...

Um alpinista sem fé

Levar as crianças à Igrej...

Falar claro

Juventude e religião

CONTADOR


Contador Grátis

Oração do amigo- Gabriel Chalita

Banda Dominus Padre Fábio Ivete Sangalo Não estou sozinho

links

A autoridade é para servir - Pe. Fábio de Melo

A Paz Pe Fabio de Mello e Roupa Nova 30 anos Oficial

Viver Pra Mim É Cristo - Padre Fábio de Melo

SÓ DEUS BASTA