No meu interior tem Deus

Sexta-feira, 3 de Agosto de 2012

O CORAÇÃO DE JESUS

              Nos tempos vertiginosos em que vivemos, banalizou-se a imagem, o simbolismo e a importância do coração.

            Repetem-se cartões, e-mails, sms, publicidades. Vende-se o coração como símbolo de amor romântico, superficial e passageiro. Apela-se ao consumo de produtos que protegem o músculo sensível de doenças frequentes e fatais. Nem as crianças escapam à avalanche de pequenos enfeites vermelhos nos desenhos animados, nos brinquedos, nas roupas.

            Associado desde sempre ao domínio das emoções, reina no campo dos afetos, é dele que falamos quando amamos, quando sofremos ou quando temos medo - «dá-nos um aperto no coração!». As canções mais conhecidas repetem à exaustão os efeitos do amor/ ódio no coração de toda a gente.

            Contudo, esta visão é limitada, humana, finita. O coração dos homens é pequeno, mortal como eles próprios. Tem o limite do seu portador, ama pouco e mal.

            Para que seja infinito, o coração de Jesus tem, forçosamente, de possuir uma capacidade ilimitada de amor - "O lado aberto de Cristo revela-nos a riqueza de seu amor infinito..." – João Paulo II.

            É no coração de Cristo, verdadeiramente ferido, humilhado, despojado, que encontramos o significado da superação da dor, da coragem, da persistência e da gratuidade do amor real, divino, mais raro e precioso do que o amor pequeno e, tantas vezes mesquinho, dos homens.

            A devoção (do Latim devovere, prestar culto à divindade) ao Coração de Jesus é o reconhecimento de que nele cabem todos os homens, bons e maus, santos ou pecadores. No Coração de Deus, há lugar para a humanidade inteira. E no nosso coração, haverá lugar para Deus?

Ana Bretão

No coração de Jesus

Tenho tudo que eu quero

No coração de Jesus

Tenho a paz que eu preciso

Tenho o abrigo perfeito

Contra qualquer perigo

Tenho o apoio da mão

Do verdadeiro amigo

  

(Roberto Carlos)

publicado por Padre João Pires, Pároco dos Altares e Raminho às 17:58
| comentar
Sábado, 17 de Julho de 2010

O Importante é o coração

Um dia, um jovem rico apresentou-se à porta de um convento, pois desejava entrar nessa Ordem Religiosa. O abade acolheu-o fraternalmente e quis saber as suas motivações. Ele buscava a perfeição e o abade foi-lhe dizendo que a vida religiosa nessa Ordem era muito rigorosa, exigia muitas mortificações.

O jovem disse que estava pronto para o que fosse necessário. Ergueu a cabeça e disse orgulhosamente:

- Eu visto-me sempre de branco, não bebo senão água, no Inverno rolo-me na neve. Para melhor me mortificar, costumo pôr pregos nos sapatos e ordeno que um criado me dê chicotadas.

Naquele instante, passou por ali um cavalo branco. O animal deitou-se e rolou na neve para se refrescar. Tinha pregos nas suas patas e recebia chicotadas do seu dono. O abade disse então ao jovem:

- Viste? O cavalo tem uma vida sacrificada. Contudo não passa de um cavalo.

O jovem ficou no convento e foi aprendendo que o hábito não faz o monge, que a vida religiosa não está nas mortificações, nos jejuns, nos sacrifícios, no modo de vestir. A vida religiosa consiste em cumprir os votos de pobreza evangélica, de castidade, de obediência e em viver em comunidade fraterna. E consiste também em dar testemunho de como é belo seguir a Cristo.

(Autor Desconhecido)

publicado por Padre João Pires, Pároco dos Altares e Raminho às 23:25
| comentar

Tradutor

posts recentes

O CORAÇÃO DE JESUS

O Importante é o coração

Juventude e religião

CONTADOR


Contador Grátis

Oração do amigo- Gabriel Chalita

Banda Dominus Padre Fábio Ivete Sangalo Não estou sozinho

links

A autoridade é para servir - Pe. Fábio de Melo

A Paz Pe Fabio de Mello e Roupa Nova 30 anos Oficial

Viver Pra Mim É Cristo - Padre Fábio de Melo

SÓ DEUS BASTA